Textos


Os animais e a poesia
 
De que vale uma vaca, geneticamente pura, de formas perfeitas, mas, minada pela anemia?
 
Ou, um cavalo puro-sangue, de medidas padrões, mas, que não tenha desenvoltura, que não saiba correr?
 
Ou, ainda, um cão de linhagem perfeita, mas, desobediente, agressivo e de latidos irritantes?
 
Assim também ocorre na poesia... O ideal, para o poeta, é conseguir aliar a forma- número certo de sílabas, rimas e padrões da poesia escolhida – sextilha, soneto, haicai, etc -  a um conteúdo que leve o leitor a refletir, que afinal, dê um recado.
 
Uma poesia que seja reflexiva, e que, ao mesmo tempo, tenha um formato, que produza ritmo, que é a magia que induz ao lirismo poético.
 
De que adianta a métrica, sem conteúdo?
 
Ou rimar dias com melodias, ou ter rimas alternadas, esdrúxulas ou opostas, se não houver um recado a ser dado?
 
De que valem as rimas ricas, pobres, preciosas ou raras, se a temática não fizer o leitor refletir?
 
Enfim, se não se fizer da poesia uma forma de comunicação em que se privilegie o conteúdo e a estética, a beleza e o recado, mesma que a forma poética seja perfeita, teremos, como na classificação canina, um puro-sangue mal-educado e irritante.
 
Nesse caso, prefiro os vira-latas!

 
 
 
elzio
Enviado por elzio em 18/07/2017
Alterado em 10/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr