Textos


Enya e Brigit
 
Sou um filho da floresta,
Não da floresta de agora,
Mas, onde, se festejava, outrora,
A brilhante luz do verão...
Lá, quem imperava, era Enya,
Deusa do amor e fertilidade,
Que dos Celtas, sem maldade,
Glorificava o amor de um pagão...
Nasci, nas brumas antigas,
Onde, cantando cantigas,
A gente fazia amor.
Amor puro, sem preconceito,
E cada um, do seu jeito,
À Deusa, agradecia...
Foi assim, que Brigit ensinou,
E quem aprendeu, muito amou,
E fez, do amor, poesia...
Era um amor sem ciúme,
Porque, assim, era o costume,
Amor de pura idolatria,
Onde a mulher, era sagrada,
Era deusa, era amada,
Fonte imortal da poesia!

 
elzio
Enviado por elzio em 12/08/2017
Alterado em 10/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr