Textos


Ode à velhice

Aprendi com a velhice,
A identificar a canalhice,
No olhar que me rodeia.
O tempo da ingenuidade,
Se transmutou com a idade,
Que não se prende em cadeia.

Preso estou, no olhar vazio,
Como o odor de um cio,
Que se espalha no ar.
Não existe mais velhice,
Embora atento à canalhice,
Que quer sempre, explorar.

Esse é o mal da humanidade,
Que cultivou a maldade,
Como rosa, em um jardim.
O que para os outros, se quer,
Não vale, um tostão, sequer,
Nem um milhão, para mim!
 
elzio
Enviado por elzio em 11/03/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


Imagem de cabeçalho: raneko/flickr